quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

A velha parada de Tapera e a caixa d'água de Tamatamerim

  Inaugurada em Novembro de 1885, no quilômetro 38 da Estrada de Ferro Central de Pernambuco, a Parada foi de grande serventia ao antigo povoado de Tapera, hoje Bonança, um dos principais distritos da cidade de Moreno. Ficou sendo ponta de linha por cerca de dois meses quando foi inaugurada a estação seguinte, Vitória.
  A pequena construção da estação resistiu mais de cem anos. Em 2002 ainda estava de pé, de acordo com as fotos de Luiz Ruben F. de A. Bonfim em seu livro "Estrada de Ferro Central de Pernambuco" e postadas no site Estações Ferroviárias do Brasil por Ralph Mennucci Giesbrecht.
  No mês de Janeiro de 2012, visitamos o local da antiga estação. Um morador local nos indicou o local onde ficava a estação, da qual nem a plataforma restou. Curiosamente, a casa do agente da estação ainda existe e, segundo o mesmo morador ninguém mexe no antigo prédio; mesmo mal conservado ainda resiste ao tempo e às novas construções que lhe cercam.  Falou-nos também de um certo "Zé Preto" que havia trabalhado na ferrovia e que era também da localidade.
 A seguir, fotos da estação em 2002, quando ainda estava de pé.
A parada de Tapera em 2002. Notar um ônibus passando próximo à construção, na BR-232. (Fonte:  Site - Estações Ferroviárias do Brasil - Autor da foto: Luiz Ruben F. de A. Bonfim - 2002). 

A parada de um outro ângulo. (Fonte:  Site - Estações Ferroviárias do Brasil - Autor da foto: Luiz Ruben F. de A. Bonfim - 2002).



  Abaixo, fotos da antiga casa do chefe do local que nos foi indicado onde ficava a antiga parada.


A velha casa do chefe, resistindo firme com seus quase 125 anos. (Foto: Arquivo pessoal - Janeiro de 2012).

Novas construções já cercam a velha construção. (Foto: Arquivo pessoal - Janeiro de 2012).

(Foto: Arquivo pessoal- Janeiro de 2012).

O local indicado onde ficava a parada de Tapera. (Foto: Arquivo pessoal - Janeiro de 2012).

O local da antiga parada. Os trilhos podem ser vistos ainda, quase totalmente cobertos por terra. Lembrando que faz pouco mais de dez anos que o trem do forró, com destino a Caruaru, cruzou os  mesmos trilhos  (Foto: Arquivo pessoal - Janeiro de 2012).
  Seguindo sentido Vitória, a uma distância de cerca de 5 quilômetros do local da parada de Tapera, à beira da BR-232 existe curiosamente, na frente da pedreira Itamatamirim, uma antiga caixa d'água para abastecimento do trem. Esta caixa fazia parte de um antigo ponto de parada da ferrovia chamado Tamatamerim. Visitamos e fotografamos o local em Janeiro de 2009. No livro de Estevão Pinto, " História de uma estrada de ferro no Nordeste" de 1949 não há nenhuma indicação quanto a parada, nem constatamos se houve alguma construção para a parada do trem além da velha caixa d'água. Talvez, Tamatamerim fosse apenas um ponto para o abastecimento das velhas locomotivas a vapor. Quanto ao nome "Tamatamerim" ainda não há certeza, pois o nome da pedreira é "Itamatamirim"; seria este também o nome do ponto de parada? De qualquer forma, a antiga e curiosa caixa d'água resiste a ação do tempo.
  A seguir fotos da velha caixa d'água.
A velha caixa d'água. As fotos ficaram um pouco escuras pois foram feitas  por volta das cinco da manhã. (Foto: Arquivo pessoal - Janeiro de 2009).

A BR-232, a caixa d'água e a pedreira  Itamatamirim por trás. (Foto: Arquivo pessoal- Janeiro de 2009).

Agora a caixa d'água seve como outdoor. (Foto: Arquivo pessoal - Janeiro de 2009).

5 comentários:

  1. Infelizmente, os trilhos foram roubados em Itamatamirim e a Caixa-D'água foi mudada de lugar. Removeram de junto da rodovia para junto da entrada da pedreira. Um crime contra o patrimônio histórico, tendo em vista que a ferrovia até Gravatá é tombada pela FUNDARPE.
    Em Vitória, tive a impressão que a ferrovia foi aterrada. Da próxima vez que estiver por perto vou tentar fazer um levantamento fotográfico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade. Há um trecho entre Bonança e o outro lado da BR-232 em que os trilhos foram roubados, mesmo sendo esta linha tombada. Há trechos em que a linha foi asfaltada ou invadida em Vitória. Mesmo assim ainda temos esperanças de um trem turístico ao menos no trecho da Serra das Russas entre Pombos e Gravatá, onde existem 14 túneis e seis viadutos. Aguardo suas fotos.

      Excluir
  2. Hoje a casa do chefe de estação que pertencia a minha família.Não existe mas

    ResponderExcluir
  3. Cresci no Engenho Jussara a 12 km de Tapera, hoje Bonança.Desde criança, saía-mos na madrugada a pés nos atoleiros de sapatos nas mãos até Tapera, esperar o trem que passava às seis horas para ir visitar meu pao na Casa de detenção do Recife, preso por matar um endinheirado violento em defesa da honra da família. A parada, como informaram ainda não era essa casinha da foto, e ficava junto ao largo da feira. Muitos anos depois, construiram essa segunda plataforma com a casinha próxima a subida do Alto José da Glória, e do distrito de Cidade de Deus, que já pertence a Vitória de Santo antão. Essa dita parada ficava exatamente na divisa dos municípios, para atender as duas comunidades e por solicitação dessas em vários abaixo-assinados. Durante um bom tempo, servi-me dela para ir de trem até Moreno cursar datilografia. Espero ter contribuido, para tão plausível estudo, embora que tardiamente. Abraços, José Tavares. (71-992906446- zap)

    ResponderExcluir
  4. Cresci no Engenho Jussara a 12 km de Tapera, hoje Bonança.Desde criança, saía-mos na madrugada a pés nos atoleiros de sapatos nas mãos até Tapera, esperar o trem que passava às seis horas para ir visitar meu pao na Casa de detenção do Recife, preso por matar um endinheirado violento em defesa da honra da família. A parada, como informaram ainda não era essa casinha da foto, e ficava junto ao largo da feira. Muitos anos depois, construiram essa segunda plataforma com a casinha próxima a subida do Alto José da Glória, e do distrito de Cidade de Deus, que já pertence a Vitória de Santo antão. Essa dita parada ficava exatamente na divisa dos municípios, para atender as duas comunidades e por solicitação dessas em vários abaixo-assinados. Durante um bom tempo, servi-me dela para ir de trem até Moreno cursar datilografia. Espero ter contribuido, para tão plausível estudo, embora que tardiamente. Abraços, José Tavares. (71-992906446- zap)

    ResponderExcluir