segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Túneis e viadutos: A ferrovia na Serra das Russas

  Você já imaginou andar de trem por entre vales, passando por túneis longos e escuros, compridos e altos viadutos, contemplando belas paisagens naturais em que a natureza se contrasta com os trilhos. Pois é, acredite você que não conhece muito da história das ferrovias em Pernambuco: nós temos uma ferrovia com todas essas características e muito mais; o caminho de ferro em questão é o trecho compreendido entre Pombos e Gravatá da antiga Estrada de Ferro Central de Pernambuco, posteriormente Linha Centro que ligava Recife a Salgueiro.
Um dos viadutos da Serra das Russas. (Imagem: Do blog " Jones em Trilhas" - http://jonesetrilhas.blogspot.com.br/2011/07/trilha-de-aventura-pelos-trilhos-e_9473.html)
  O referido trecho, com aproximados 25 km foi construído no fim do século XIX entre 1886 e 1894. A demora na execução da obra foi em face do grande obstáculo que ao chegar em Pombos a ferrovia teria de vencer para chegar a Gravatá: a Serra das Russas. Foram então necessários 8 anos para que se construíssem 21 túneis e 9 viadutos, estes em estrutura de ferro. Mais na frente alguns desses túneis deixaram de existir por comodidade técnica restando 14. Os viadutos, em face do desgaste, foram todos substituídos por estruturas de concreto entre os anos de 1945 e 1947, pela Great Western. Milhares de pessoas viajaram pelos túneis e viadutos da Serra das Russas com direção ao Agreste e ao Sertão, ou retornando para a Zona da Mata e a capital. 
Um dos 14 túneis da Serra das Russas. (Imagem: Do blog "Jones em trilhas" )
  O tempo passou e as ferrovias foram sendo deixadas de lado. Com a linha Recife - Salgueiro não foi diferente, logo os trens deixaram de passar pelo trecho da Serra. Em 2001, o Trem do Forró, último a utilizar a linha, mudou seu itinerário de Caruaru para o Cabo, com isso a linha para Salgueiro ficou totalmente abandonada desde então. O trecho em que os trilhos cortam a Serra permaneceu intacto, exceto alguns desabamentos de encostas sobre o leito da ferrovia em alguns trechos e o mato que cresceu muito em certas áreas.
  As referidas paisagens da Serra que poderiam estar sendo aproveitadas por um trem turístico que, sem dúvida, seria um dos melhores passeios desse tipo do Brasil, hoje são desbravadas por aventureiros, pesquisadores feroviários a exemplo do pessoal da APEFE (Associação Pernambucana de Ferreomodelismo e Preservação Ferroviária) que já fizeram inúmeras expedições para o trecho, praticantes de esportes radicais como o rapel (praticado nos viadutos, sendo o viaduto 4 o preferido por causa da maior altura com relação aos demais), ciclistas, apreciadores de uma boa caminhada, etc.
  Há o projeto de um trem regional interligando Recife a Caruaru aproveitando a velha Linha Centro, consequentemente os túneis e viadutos entre Pombos e Gravatá seriam utilizados novamente, o problema como sempre é sair do papel. É óbvio que se fosse colocado um trem para circular para o turismo apenas nesse trecho haveria um interesse por parte das outras cidades que ficam próximas e que são cortadas pela linha em ter seu turismo impulsionado pela reativação da linha dentro de seus limites. Caruaru, é um bom exemplo disso. Sendo a linha utilizada entre Pombos e Gravatá, a cidade de Bezerros iria querer entrar também nessa integração, logo em seguida Caruaru, Vitória, daí poderia o Trem do Forró retomar suas viagens para seu destino mais característico, não desvalorizando é claro o trecho Recife – Cabo, mas convenhamos, Caruaru é a capital do forró. É claro que são apenas hipóteses; a política rodoviarista de nosso país impede o mesmo de se desenvolver e preservar suas ferrovias. A consequência disso é o abandono absurdo de belos trechos de ferrovia como esse da Serra das Russas pelo qual muitos não tiveram a oportunidade de viajar e muitos dos que tiveram esse privilégio guardam apenas a lembrança nas fotos, na memória de vivência e nos velhos túneis e viadutos que um dia serviram para dar passagem ao progresso em nosso estado, da capital para o interior.

Viaduto 4, mais conhecido como Ponte Cascavel, é o mais alto e longo viaduto ferroviário da Serra das Russas. (Imagem: Papel de parede do Baixaki - Acervo: Vagner Santos). 
                                             




Sobre um dos viadutos da Serra das Russas. (Imagem: Do blog "Jones em trilhas")
                                     

Pessoal da Assoc. Pernambucana de Ferreomodelismo e Preservação  Ferroviária em uma de suas caminhadas pela Linha Centro na Serra das Russas, em frente a um dos 14 túneis. (Imagem: Do site "Amantes da Ferrovia" - Acervo: Rinaldo Henrique)

Plataforma da já demolida estação de Russinha, localizada apenas a  menos de 500 m após o 1º túnel sentido Pombos - Gravatá.  



8 comentários:

  1. Grande André, é decepcionante a situação das nossas ferrovias, e especialmente da linha centro. Essa semana mesmo estava vendo uma notícia da Revista ferroviária que informava que o Governo de Minas Gerais estava licitando a reforma de várias linhas que estavam abandonadas, inclusive a linha que liga Belo Horizonte à cidade turístia de Ouro Preto não teve interessados, dessa forma o próprio Governo de MG vai tocar a recuperação, é disso que a gente precisava por aqui, um governador empenhado em recuperar nossa vocação ferroviária, que já foi grande no passado, e incentivar o nosso turísmo, que como você disse esse trecho da Serra das Russas é um dos mais belos da nossa ferrovia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Gerson. Hoje só temos o velho e bom trem diesel da CBTU para guardar a lembrança. Pernambuco já teve mais de 1300 km de ferrovias, sem contar com as particulares de usinas. Hoje não temos mais o trem de passageiros para Maceió, João Pessoa e Salgueiro, que num mínimo deveria estar em operação entre Lacerda e Caruaru.

      Excluir
  2. Isso aí q estou vendo é um crime gravíssimo e o povão ñ faz nada. Uma, é q o povão é convicto q isso é patrimônio do governo igual a um automóvel q a pessoa compra e é DA PESSOA, mas, negativo, isso é patrimônio público, custeado com recursos sociais e o povão tem o direito e dever de se intrometer nisso aí. Isso se faz? NECAS.
    Se eu morasse no Recife até q eu faia caminhada ecológicas aí e o povo deveria fazer tbm. É saudavel e cobrar um trem turístico p,ra Caruaru. A política-admiistrativa ñ tem um pingo de interesse em empreitada ferroviária, mesmo essa política estando a serviço público. É como q dizendo assim, de forma intocada: TEM ÔNIBUS

    ResponderExcluir
  3. Excelente trilha. Já fui algumas vezes com meus amigos. Hoje em dia, não temos mais a menor segurança para realizarmos.

    ResponderExcluir
  4. Já falei sobre o assunto, mas ratifico as palavras do Milton: "Isso que está ocorrendo com a Linha Centro de Pernambuco, como com as Norte e Sul é realmente um CRIME"! A Linha Centro com a beleza de seus túneis e viaduto e potencial turístico que possuem cidades como Gravatá (Festival de Inverno e Festa do Morango), Caruaru com sua tradicional Feira, conhecida mundialmente e o São João que dispensa comentários; o polo da confecção e muitas outras atrações como o Futebol e outras atrações. É, meus amigos, esperamos que um dia não muito distante possamos novamente chegar até Salgueiro de TREM, contemplando é claro, a beleza dos túneis e viadutos da Serra das Russas.
    Jeová Barboza - Timbaúba (PE)

    ResponderExcluir
  5. Belíssimas imagens amigo André. Com toda a certeza é um dos mais interessantes trechos ferroviários de todo o Brasil. Acredito que é o mais interessante do Nordeste. Desbravando uma bela região serrana e sua deslumbrante paisagem. Quero conhecer.

    ResponderExcluir